O QUE É NEUROARQUITETURA?

Como essa ciência impacta o cotidiano e a aplicação das esquadrias


Por Stephanie Fazio


Reprodução: Pinterest

Impactar a saúde e o bem-estar de seus usuários, trazendo mais qualidade de vida às pessoas, esse é o objetivo da neuroarquitetura. Essa ciência defende a ideia de que o espaço físico pode afetar as interações entre os neurônios, fazendo com que se reforce ou crie conexões positivas ou transmita reações negativas.


De acordo com o portal Construtora JN, o objetivo maior é desenvolver ambientes confortáveis e relaxantes, que gerem impactos positivos nas pessoas, como maior produtividade, concentração, relaxamento e qualidade em cada atividade cotidiana.


Um levantamento feito pela Archademy, maior comunidade de negócios do segmento de arquitetura e design de interiores, mostrou que, em 2021, 95,5% dos profissionais dessas áreas relataram crescimento de demanda para reforma em ambientes residenciais. Entre os principais pedidos, a adequação do layout geral da casa foi relatada por 67,4% dos entrevistados; adequação da casa para home office por 65,8%; e 58,4% foram procurados para alterar os espaços de convivência.


Danilo Duarte, diretor executivo da Conecta Reforma, startup que conecta proprietários de imóveis com prestadores de serviço para execução de grandes reformas, concorda que essa procura tem o impacto do crescimento do trabalho remoto após a pandemia, mas observa que as pessoas estão percebendo cada vez mais a necessidade de ter um espaço otimizado, funcional e que transmita conforto.


Nesse caso, segundo ele, o efeito positivo é ainda maior do que nos escritórios ou sedes de empresas. “Como é exclusivo para uma ou poucas pessoas, o arquiteto vai estudar o perfil e necessidades dos moradores da casa e criar as soluções adequadas de acordo com esses perfis, adequando desde a planta da casa, até pequenos detalhes de decoração ou posição dos móveis”, a