top of page

9º PRÊMIO ARQUITETURA TOMIE OHTAKE AKZONOBEL ANUNCIA VENCEDORES

Mostra gratuita será realizada até 2 de julho


Divulgação: Assessoria Conteúdo À La Carte

O Instituto Tomie Ohtake e a AkzoNobel divulgaram na noite de ontem, 09 de maio, os três projetos premiados na categoria profissional da nona edição do Prêmio Arquitetura Tomie Ohtake AkzoNobel, localizados na Bahia, no Maranhão e no Espírito Santo. A premiação trouxe ainda como novidade a reintrodução da categoria Universitária, com projeto vencedor de Brasília e menção honrosa à proposta do Rio de Janeiro. Todos eles, ao lado dos demais finalistas, podem ser vistos em exposição gratuita no Instituto até 2 de julho.

No total foram inscritas 190 obras na categoria profissional, provenientes de 17 estados brasileiros e do Distrito Federal, enquanto na Universitária foram enviados 138 projetos de 17 estados brasileiros e do Distrito Federal. Os projetos foram selecionados pelo júri formado por Carol Tonetti, Catherine Otondo, Clevio Rabelo, Ester Carro e Thaís Troncon Rosa.


PROJETOS PREMIADOS – CATEGORIA PROFISSIONAL

  • CASARÃO 28/Localidade: Salvador (BA)/Ano de conclusão: 2022/Tipo de projeto: residencial/comercial/Autoria: Naia Alban.

  • CENTRO DE REFERÊNCIA QUEBRADEIRAS DE BABAÇU/Localidade: Povoado de Sumauma, Vitória do Mearim (MA)/Ano de conclusão: 2022/Tipo de projeto: comercial, institucional/Autoria: Estúdio Flume.

  • ROTA DO SÃO BENEDITO/Localidade: Vitória (ES)/Ano de conclusão: 2022/ Tipo de projeto: público, urbano/Autoria: Coletivo Cidade Quintal.

PROJETO PREMIADO – CATEGORIA UNIVERSITÁRIA

  • A VILA DOS CATADORES CICLISTAS/Localidade: Brasília (DF)/Instituição de ensino: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Universidade de Brasília (FAU-UNB)/Tipo de projeto: institucional, urbano, temporário, assistencial/ Autoria: Bruna Ruperto.

MENÇÃO HONROSA – CATEGORIA UNIVERSITÁRIA

  • ALDEIA MARAKANÃ: A construção de uma aldeia indígena urbana/Localidade: Rio de Janeiro (RJ)/Instituição de ensino: Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)/Tipo de projeto: social, cultural/Autoria: Gustavo Lennon.

PROJETOS SELECIONADOS DA CATEGORIA PROFISSIONAL QUE TAMBÉM FAZEM PARTE DA EXPOSIÇÃO:

  • CASA FLORESTA/Localidade: Belo Horizonte (MG)/ Ano de conclusão: 2021/Tipo de projeto: residencial/Autoria: Estúdio Zargos.

  • CASAMIRADOR SAVASSI/Localidade: Belo Horizonte (MG)/ Ano de conclusão: 2021/Tipo de projeto: residencial/Autoria: Gisele Borges Arquitetura.

  • CASA NA BOCAINA/Localidade: Bananal (SP)/Ano de conclusão: 2021/Tipo de projeto: residencial/Autoria: Ana Altberg e Cesar Jordão.

  • CASA SARACURA/Localidade: São Paulo (SP)/Ano de conclusão: 2022/Tipo de projeto: residencial/Autoria: [entre escalas].

  • CASAS POPULARES PAUDALHO/Localidade: Paudalho (PE)/ Ano de conclusão: 2021/Tipo de projeto: residencial/Autoria: NEBR Arquitetura.

  • RESTAURO, MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO MUSEU DO IPIRANGA/ Localidade: São Paulo (SP)/Ano de conclusão: 2022/Tipo de projeto: institucional, público, urbano/Autoria: H+F ARQUITETOS.

  • TERMINAL E PARQUE URBANO EM SÃO LUIZ/Localidade: São Luís (MA)/Ano de conclusão: 2020/Tipo de projeto: público, urbano; Autoria: Natureza Urbana.

PROJETOS SELECIONADOS DA CATEGORIA UNIVERSITÁRIA QUE TAMBÉM FAZEM PARTE DA EXPOSIÇÃO:

  • ARMADURA DA PAISAGEM: Infraestrutura verde nas encostas do Morro da Formiga/Localidade: Rio de Janeiro (RJ)/Instituição de ensino: Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)/Tipo de projeto: público, urbano/Autoria: Larissa de Paula Scheuer.

  • DA INCESSANTE CONSTRUÇÃO À OBSOLESCÊNCIA CONSTRUÍDA: Uma proposta de apropriação para o edifício Garagem do Carmo/ Localidade: Rio de Janeiro (RJ)/Instituição de ensino: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)/Tipo de projeto: público, urbano/Autoria: Maria Vitória Martins.


Centro de Referência Quebradeiras de Babaçu; Casarão 28, projeto em Salvador; Rota do São Benedito, em Vitória; Aldeia Marakanã, no Rio de Janeiro; e A Vila dos Catadores Ciclistas, em Brasília/Divulgação: Assessoria Conteúdo À La Carte


“A edição de 2023 é bastante emblemática em termos de pluralidade e abrangência. É notável a diversidade geográfica, de tipos de construção e de uso. Na categoria profissional, nota-se nos projetos muito do que acreditamos como organização. Depois da pandemia, observamos uma ressignificação dos espaços internos de casas e lares, transformando o morar. Também chama a atenção a presença da madeira, um material vivo cada vez mais nobre e presente nas construções e a cor, algo que faz parte do nosso DNA. Por fim, celebramos a volta da categoria de estudantes, inspirando a próxima geração de profissionais”, comenta Karen Watanabe, head Regional de Comunicação Corporativa para América Latina da AkzoNobel. Desde a sua primeira edição, em 2014, foram 1907 projetos inscritos no Prêmio Arquitetura.


Mudanças foram implementadas nesta edição da exposição para que as obras selecionadas pudessem potencializar diálogos entre si, evitando assim que fossem vistas apenas como objetos isolados. Neste sentido, a proposta curatorial se dedica a abrir os processos e apresentar desenhos, fotografias, maquetes, objetos, cadernos, relatos e vozes que mostram caminhos para realizar aproximações e interpretações sobre os espaços, programas, processos e resultados. A reintrodução da categoria Universitária — realizada anteriormente na edição de 2019 — amplia o interesse pelo caráter investigativo das práticas de projeto e contempla, em sua exposição, pesquisas e projetos acadêmicos de várias regiões do Brasil.


Esse movimento evidencia o empenho do Instituto Tomie Ohtake em refletir sobre a produção arquitetônica recente, com o intuito de expor criações contemporâneas e fomentar processos mais inclusivos, diversificados e abrangentes, segundo Carol Tonetti, diretora do Núcleo de Cultura e Participação do Instituto Tomie Ohtake. “Queremos produzir questionamentos com e para a sociedade, procurando amplificar sentidos que estabeleçam diálogos e acolham um debate público que ganhe circulação e uma temporalidade expandida a partir desta exposição”, completa.


Já Sabrina Fontenele, coordenadora de Prêmios da instituição, espera que o caráter reflexivo e propositivo presente nesta nona edição do Prêmio Arquitetura Tomie Ohtake AkzoNobel “possa ganhar circulação e recepção por parte de um público interessado, mas também que consiga inserir o debate sobre nossas cidades e os modos como habitamos e vivenciamos o mundo nas diversas instâncias da sociedade”.


Sobre o Prêmio


O Prêmio busca reconhecer as produções arquitetônicas de destaque na cena contemporânea brasileira, valorizando as formas inovadoras de pensar e construir o espaço social, contribuindo, assim, com o desenho do panorama atual da arquitetura nacional nos seus mais variados contextos.


Os projetos selecionados participam da exposição na sede do Instituto Tomie Ohtake e são apresentados em catálogo. As obras premiadas serão registradas com vídeo experimental e analítico da edificação realizado por cineasta em início de carreira. O Prêmio Arquitetura Tomie Ohtake AkzoNobel é resultado de uma parceria entre o Instituto Tomie Ohtake e a AkzoNobel, multinacional holandesa que atua nos segmentos de tintas e revestimentos, e se insere nas perspectivas do Instituto, enquanto instituição cultural, ao promover iniciativas no campo da arquitetura, do urbanismo, das artes plásticas e do design. O Instituto Tomie Ohtake agradece ainda seus parceiros institucionais do Núcleo de Cultura e Participação: Kapitalo Investimentos; Meta; Syn Prop & Tech e Unigel.


Fonte: Assessoria Conteúdo À La Carte

Comments


V&S Blog.jpg

 Receba notícias atualizadas no seu WhatsApp gratuitamente. 

bottom of page