VAREJO DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO APRESENTA GRANDE CRESCIMENTO MESMO COM PANDEMIA


Reprodução: Jornal Edição do Brasil

O setor de varejo de material de construção foi um dos que menos sentiram os impactos da crise gerada pela pandemia. O crescimento de faturamento do setor em 2020, em comparação ao ano de 2019, foi de 11%, atingindo o valor de R$ 150,55 bilhões de movimentação, segundo o Instituto Brasileiro de Economia (IBRE), unidade da Fundação Getulio Vargas (FGV).


Destaque no período foram das lojas das redes associadas à Federação Brasileira de Redes Associativistas de Materiais de Construção (Febramat), que cresceram 22,8% no mesmo período e no primeiro trimestre de 2021 já apresentaram um incremento de 30,5%.

"Mesmo depois de um início de pandemia assustador, no qual as lojas tiveram que fechar as portas, com a abertura gradual o que se observou foi uma rápida retomada nas vendas, apresentando um crescimento maior do que nos últimos anos", analisa o presidente da Febramat, Paulo Roberto dos Santos Machado. "Isso ocorreu por diversos fatores, dentre os quais o fato de as pessoas ficarem em casa e olharem mais para as necessidades de reformas", complementa.


Mesmo com o crescimento, o setor teve grandes desafios no período, segundo o presidente, dentre os quais se destacam a necessidade de adequar o atendimento às regras sanitárias e a falta de produtos que ocorreu no período, devido à alta demanda e baixa oferta.


As projeções para este ano são também bastante positivas, com as expectativas de que as lojas da Febramat saltem de um faturamento de R$ 3,8 bilhões em 2020 para uma projeção de R$ 4,2 bilhões em 2021. Já a projeção de crescimento em compras para 2021 é de 39,5%.

Além do aumento na procura de produtos, outros fatores que são determinantes para o sucesso da Febramat e a gestão profissional das lojas é o crescimento de números de redes associadas e, consequentemente, estabelecimentos. Atualmente, são 28 redes associadas e as projeções são para fechar o ano com 32, o que representaria um salto de 845 lojas para 1.204 até o momento.


"Esses resultados mostram a força do associativismo que praticamos desde 2018, que possibilita às redes associadas mais do que ótimas condições comerciais. Focamos também na gestão das lojas, possibilitando que essas estejam mais preparadas para concorrer de igual com grandes redes do setor, assim o resultado não poderia ser outro que não fosse o sucesso", finaliza o presidente da Febramat.