SANTA CATARINA RECEBERÁ UMA NOVA CIDADE MODERNA E PLANEJADA COM FOCO NAS PESSOAS

Urbanismo seguirá a infraestrutura verde e azul e ocupará uma área de mais de 4 milhões de m², o que corresponde a 560 campos de futebol, com investimento inicial de R$50 milhões


Área de mais de 4,3 milhões de m² se tornará cidade planejada em Santa Catarina. Foto: Camila Carniel/Assessoria Apoio Comunicação+Eventos

No desenho urbano das “selvas de concreto”, o verde perdeu espaço, ficando muitas vezes restrito a parques e praças. Contudo, existe uma forte mudança no perfil do consumo do mercado imobiliário, que vem sendo impulsionada pelas transformações geradas pela pandemia. Dentre as transformações, ganha destaque a nova visão sobre o papel da natureza do dia a dia das pessoas e a valorização da integração do ambiente residencial com o ambiente corporativo.

Assim, a crescente preocupação com a preservação ambiental e com a sustentabilidade alterou a forma de pensar as cidades, e o conceito de infraestrutura verde e azul começou a ganhar espaço e importância em projetos do segmento imobiliário. Ou seja, pensar uma forma para que as pessoas possam viver dentro de maior respeito ao meio ambiente e com menor dependência do concreto e do asfalto, a chamada “Blue and Green Infrastructure” se propõe a resolver os problemas funcionais de uma cidade de maneira mais econômica, privilegiando a preservação ambiental e beneficiando as pessoas. E, Santa Catarina será um dos primeiros estados do País a contar com um projeto revolucionário.


Por meio de um novo desenho urbano está nascendo a Reserva Royal, uma cidade moderna e que visa resolver problemas de forma sustentável. Em uma área de 4,3 milhões de m², divididas entre as cidades de Tijucas e Porto Belo, no litoral norte, distante 60 quilômetros da capital Florianópolis, a fazenda que há mais de 100 anos pertence à família Bayer está sendo planejada para se transformar no Reserva Royal, empreendimento que prioriza a harmonia entre as pessoas e a natureza, em um local repleto de mata nativa e nascentes de cursos d'água.

O local será de uso misto, seguirá preceitos de cidade planejada, mas que também terá suas áreas abertas para utilização por toda a comunidade, um empreendimento disruptivo, com o intuito de preservar a fauna e a flora, bem como gerar desenvolvimento ordenado. Será o primeiro empreendimento intermunicipal do estado e um dos maiores do Sul do País.