top of page

QUANDO REPARAR OU SUBSTITUIR ESQUADRIAS EM PROJETOS RESIDENCIAIS?

A arquiteta Andrea Camillo aponta quais informações devem ser observadas antes de realizar a compra de portas e janelas novas


Reprodução: Andrea Camillo Arquitetura/Assessoria dc33 Comunicação

Além do estilo das portas e janelas, quando reforma ou a substituição é realizada em apartamentos, um conjunto de regras ditadas pelo condomínio devem ser observadas – pontos esses que, em muitas vezes, delimita o trabalho do profissional de arquitetura ou os desejos do morador que está em busca de um novo visual ou funcionalidade para elas.


Segundo a arquiteta Andrea Camillo, à frente do escritório que leva o seu nome, conhecer o estilo de esquadrias para cada ambiente, a relação das características e normas a serem seguidas na substituição, bem como os materiais – e quais deles melhor se adequam às características do projeto –, são fundamentais para a execução da obra. A seguir, ela relacionou um guia que ajudará àqueles que em breve passarão por essa fase.


CASA X APARTAMENTO


A profissional explica que existem diferenças significativas para a definição das esquadrias em um projeto de casa ou apartamento. Em linhas gerais, o proprietário de uma residência enfrentará menos empecilhos no processo, uma vez que a escolha se torna mais livre. Entretanto, nos apartamentos, a obra por si demanda autorização prévia do condomínio e a necessidade de acompanhar regras específicas.

Andrea ressalta que o artigo 136, da Lei 10.406 do Código Civil Brasileiro é enfático quanto aos direitos e deveres do condômino. O inciso III discorre quanto não alterar a forma e a cor da fachada, das partes e esquadrias externas. “Ainda que o desejo seja por realizar a substituição por uma janela completamente semelhante à original, muitos condomínios, ainda assim, não permitem a retirada. Nesse caso, qualquer conserto ou pintura deve ser feita in loco”, explica.


Quanto às portas de entrada dos apartamentos, o cenário não é diferente. Geralmente, uma possível mudança deve ser averiguada e negociada antes do começo da obra. Para a arquiteta, prédios que apresentam apenas um apartamento por andar costumam ser mais flexíveis e aceitar a troca. “Mesmo assim, por conta das especificidades convencionadas por cada condomínio, é fundamental consultar todas as normas antes de começar a se planejar”, enfatiza Andrea.


Depois de avançar naquilo que se pode (ou não) executar, o projeto deve avaliar não apenas a estética da porta ou janela, como também a função que desempenhará, as questões climáticas de onde estará localizada e pontos sobre praticidade na utilização e manutenção. “Além disso, o morador também costuma nos demandar, por exemplo, janelas maiores para ampliar a ventilação ou modelos que propiciem uma limpeza mais simples, entre outras particularidades. Tudo depende das necessidades de cada projeto e das preferências de cada cliente”, detalha a arquiteta.

REFORMAR OU COMPRAR UMA ESQUADRIA NOVA?


De acordo com Andrea, essa é uma pergunta recorrente, que pode ser respondida após uma análise detalhada. Se a janela antiga estiver em boas condições, em muitas ocasiões a reforma pode considerar a execução de uma nova vedação, bem como a troca de borrachas, roldanas ou mesmo a aplicação de uma nova pintura. “Entretanto, se os problemas apresentados forem além disso, o ideal é trocar”, considera.

ABERTURAS DE ESQUADRIAS


Reprodução: Andrea Camillo Arquitetura/Assessoria dc33 Comunicação


Com relação aos tipos de esquadrias, a profissional esclarece que há uma ampla variedade de aberturas que são definidas conforme as condições e os tipos de cada ambiente no projeto. Acompanhe os principais:

  • Esquadria de abrir: considerada a mais tradicional, a porta conta com dobradiças fixadas aos batentes que permitem a abertura da folha, seja para fora ou para dentro;

  • Esquadria de correr: bastante usuais, se aplicam para portas e janelas que se movimentam por meio de trilhos, no piso e no teto, que permitem a movimentação das folhas. “A decisão pelo trilho adequado é fundamental para o funcionamento perfeito”, orienta Andrea. No caso das portas, é uma solução interessante para ampliar a área útil do cômodo onde serão instaladas;

  • Esquadria basculante: nas janelas, o pivô permite movimentar as básculas – uma parte para fora e outra para dentro do ambiente. "Elas lembram muito os vitrôs utilizados antigamente nas edificações", afirma a arquiteta;

  • Esquadria guilhotina: nas janelas, o formato de abertura conta com uma folha superior fixa, enquanto a inferior está apta para realizar o movimento de subir e descer para a abertura e fechamento;

  • Esquadria camarão ou sanfonada: encontrada em portas, as folhas correm um trilho em deslocamento que deixa o vão praticamente livre para a passagem do usuário;

  • Esquadria Maxim-ar: com abertura de baixo para cima, alcança um ângulo de 90º e é geralmente instalada em apartamentos, proporcionando mais ventilação.

ESTILOS DAS ESQUADRIAS

Tendo em vista a forma de abertura das esquadrias, o próximo passo é pensar na estética, que deve dialogar com o décor do ambiente e as preferências reveladas pelo morador. “No projeto, as escolhas são sempre efetivadas considerando um equilíbrio entre a estética e a funcionalidade. E é imprescindível acolher a opinião do morador, que sempre pesa bastante”, afirma Andrea. Ela ainda acrescenta que portas e janelas não se limitam apenas a estes pontos já mencionados, pois também cooperam na definição da linguagem do projeto arquitetônico.


São diversos os materiais para esquadrias e cada um acompanha as suas especificidades. Entre os mais requeridos nas obras, estão: PVC, alumínio, ferro e a madeira.

Nos atributos de manutenção e limpeza, alumínio e PVC estão entre as melhores opções por serem resistentes, exigirem baixa manutenção e, no aspecto financeiro, agradarem os clientes pela relação custo-benefício. No contraponto, portas e janelas de madeira ou de ferro são conhecidas por sua necessidade de manutenção frequente e um valor mais alto. “Mas é incontestável que a madeira é o principal material quando o assunto é isolamento termoacústico. Por isso, a decisão não pode acontecer sem levar em conta aquilo que o projeto realmente precisa”, recomenda a profissional.

Pensando na decoração de interiores, todas as esquadrias podem se encaixar em projetos contemporâneos, mas alguns atributos se conectam melhor a um determinado estilo. É o caso da madeira, que evoca uma atmosfera mais rústica, enquanto o alumínio conversa com um décor mais moderno.

INSTALAÇÃO DAS ESQUADRIAS


A instalação de portas e janelas deve ser efetuada por profissionais especializados e seguir atributos técnicos. A preocupação com um peitoril com caimento correto, a vedação adequada para não incorrer em infiltrações futuras e o acompanhamento exímio do manual de instruções trazido pelo fabricante de esquadrias são algumas das questões que a arquiteta indica acompanhar durante o processo de obras.


Fonte: Andrea Camillo Arquitetura/Assessoria dc33 Comunicação

V&S Blog.jpg

 Receba notícias atualizadas no seu WhatsApp gratuitamente. 

bottom of page