Buscar

GOVERNO DE SÃO PAULO ANUNCIA POLÍTICA PARA DESENVOLVIMENTO DE ENERGIA SOLAR


O governo do Estado de São Paulo deu mais um passo importante para a implantação de um programa de desenvolvimento da energia fotovoltaica na região. O projeto que a política estadual de incentivo ao uso da fonte solar no estado (PL 672/2018) acaba de receber parecer favorável do deputado Campos Machado na Comissão de Constituição, Justiça e Redação da Assembleia Legislativa de São Paulo.


O projeto de lei, de autoria do deputado Gil Lancaster, tem como premissa básica ampliar a participação da energia solar na matriz energética do estado. A proposta prevê a instalação de sistemas fotovoltaicos em comunidades indígenas, quilombolas, caiçaras e em regiões distantes de redes de transmissão de energia elétrica, além da implantação de sistemas térmicos para aquecimento de água em residências de famílias de baixa renda.


O governo pretende ainda atrair investimentos para a implantação de usinas solares e instalação de sistemas fotovoltaicos nos prédios públicos, escolas, empresas e autarquias.


“A energia solar é renovável e inesgotável, sendo uma importante alternativa energética do novo milênio. Apresenta inúmeras vantagens se comparada a outras fontes, principalmente em relação às hidrelétricas, que representam 80% da energia que utilizamos. Assim, este projeto de lei visa criar uma nova consciência na utilização da energia em nossas residências em todo o Estado de São Paulo. Nosso estado, a exemplo de outros da Federação, sofre com os períodos de estiagem que afetam as represas que geram energia, além de causar impactos ambientais”, afirmou Gil Lancaster quando protocolou o projeto.


Ainda, na Câmara dos Deputados, está em discussão a Política Nacional de Energia Solar Fotovoltaica (PRONASOLAR), projeto de lei 10370/2018, protocolado pelo deputado Augusto Carvalho. O projeto pode zerar as alíquotas de PIS/Pasep e Cofins sobre a energia elétrica fornecida pela distribuidora e compensada por empreendimentos de microgeração ou minigeração distribuída na unidade consumidora.


O parlamentar também propõe que, pelo prazo de 10 anos, os contribuintes poderão deduzir da base de cálculo do Imposto de Renda devido 25% das despesas realizadas com a aquisição de sistema solar fotovoltaico com potência de até 5.000 kW, conforme comprovação por meio de contrato registrado ou nota fiscal do referido sistema solar fotovoltaico.

17 visualizações0 comentário

Rua Machado Bittencourt, 205, São Paulo (SP) - Brasil

Tel: +55 (11) 5539-3200

contramarco@contramarco.com.br