Edição nº149 mai/jun 2021

CAPA: DE ONDE VÊM OS PERFIS DE ALUMÍNIO

Colaborou: Stephanie Fazio

Publicidade:
FISE GIF.gif
1 - Capa - Extrusão.jpg

Sob forte pressão e alta temperatura, o tarugo é impulsionado através de um molde (matriz) fixado firmemente na entrada da máquina extrusora, da qual sai já no formato desejado de um determinado perfil com vários metros de comprimento. Basicamente, este é o processo de extrusão do alumínio, matéria-prima tão importante para a indústria de esquadrias no Brasil. 

O alumínio atua nas obras como elemento construtivo sustentável, leve, de fácil personalização, durável e resistente à corrosão, tornando-se um dos materiais preferidos na fabricação de portas, janelas e fachadas. Entre as tendências arquitetônicas que utilizam o material, estão esquadrias dos mais variados tipos, padronizadas, para grandes vãos, acústicas e minimalistas. 

A variedade de cores e acabamentos, processos de pintura e anodização, com tonalidades especiais, conferem versatilidade ao material. No Brasil, entre as linhas mais procuradas de perfis de alumínio encontram-se as de bitola 20, 25, 30, 32 e 42. A bitola indica a espessurra em milímetros do perfil. Entre os produtos de alumínio extrudado bastante requisitados também estão os portões e gradis, lambris e palhetas.

A Associação Brasileira do Alumínio (Abal) define a extrusão como um processo de transformação termomecânica no qual um tarugo de metal é reduzido em sua seção transversal quando forçado a fluir através do orifício de uma matriz (ferramenta), sob o efeito de altas pressões e temperatura. Como uma pasta de dente sendo expelida para fora de seu tubo.

A Abal explica que a variedade de perfis que podem ser extrudados em alumínio é praticamente ilimitada. “O processo reduz custos, pois elimina operações posteriores de usinagem ou junção, e possibilita a obtenção de seções mais resistentes pela adequada eliminação de juntas frágeis e uma melhor distribuição de metal. 

Entre os principais tipos de produtos extrudados estão perfis sólidos, tubulares e semitubulares. Suas aplicações são ideais para os setores de construção civil, bens de consumo, indústria elétrica e transportes”.

CONSUMO DE ALUMÍNIO EM NÚMEROS

Em 2019, na construção civil, o consumo de extrudados de alumínio foi significativo, segundo José Carlos Garcia Noronha, consultor e colunista da Contramarco. “O item esquadrias representou cerca de 73% dos 52% consumidos de extrudados para a construção civil”, informa o especialista.

Para explicar esses dados, Noronha conta que “a extrusão de perfis de alumínio em 2019 consumiu 234,4 mil toneladas da matéria-prima. Assim, 52% correspondem a 121,9 mil toneladas, as quais foram consumidas no setor da construção civil. Dessas 121,9 mil toneladas, 73,6% foram o consumo para esquadrias de alumínio”.

Ele também relata que o consumo de alumínio no setor está fundamentado em dois grandes produtos: os extrudados de alumínio (perfis) e os laminados de alumínio (chapas, bobinas, telhas e chapas de acm).

Para elaborar esta reportagem, a equipe Contramarco entrou em contato por e-mail e por telefone com executivos de empresas extrusoras e fornecedoras de perfis de alumínio. 

twitter.png
Leia a matéria na íntegra na Edição nº149 mai/jun 2021 - solicite seu exemplar
 Acesse a edição digital - conteúdo exclusivo para assinante