Edição nº156 jul/ago 2022

CAPA: COLAGEM DE FACHADAS COM SILICONE E FITAS DUPLA-FACE

Colaborou: Stephanie Fazio


As dicas de especialistas e fornecedores de selantes e fitas dupla-face

1 - Capa.jpg

No campo da construção civil, as opções de colagem de fachadas envolvem uma variedade de técnicas, produtos e soluções que utilizam, principalmente, silicone estrutural e fitas adesivas dupla-face para garantir a correta fixação da fachada na obra, de forma segura — seja por meio de um sistema unitizado ou de um sistema stick, por exemplo. 

Outro ponto de grande importância para a eficiência da colagem de fachadas é garantir a correta vedação das esquadrias, proporcionado proteção contra intempéries (vento, chuva, poeira, etc.) e um bom isolamento térmico e acústico. Neste quesito em particular, diversos produtos costumam ser utilizados, entre eles selantes de vedação, guarnições de EPDM e outros acessórios e componentes. 

A fachada pele de vidro com colagem estrutural, também conhecida pela expressão em inglês structural glazing, é um tipo de fachada em que o vidro é colado com silicone ou fita dupla-face estrutural nos perfis dos quadros de alumínio, ficando a estrutura oculta, na face interna. 

Esta definição poder ser encontrada na publicação “Esquadrias para Edificações – Desempenho e Aplicações”, resultante de parceria entre a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), com a participação de diversas entidades do setor da construção civil. 
 
Embora tenha sido lançada alguns anos atrás, a publicação é fundamental como fonte de consulta sobre o tema, além dos demais aspectos que envolvem a área de esquadrias, e está disponível em formato PDF no site da CBIC — brasil.cbic.org.br/acervo-publicacao-guia-esquadrias-para-edificacoes-2017 — basta preencher os dados solicitados no site para efetuar o download gratuito da íntegra do material.

ESTÉTICA E TRANSPARÊNCIA 

Com a correta aplicação, o selante torna-se elemento estrutural, aderindo aos suportes e transferindo à estrutura metálica as cargas aplicadas sobre a fachada, assegurando também a estanqueidade. Sua elasticidade permite a dilatação e a contração do vidro, sem consequências negativas, segundo a publicação da CBIC, que destaca: “com a aplicação do structural glazing, as fachadas tornaram-se transparentes, com o vidro atuando como elemento definidor da estética”.

Técnica que surgiu nos anos 1970, a colagem de vidros externos na fachada torna o aspecto dos edifícios mais leve e limpo ao “esconder” as estruturas de alumínio, oferecendo ainda um melhor desempenho térmico e acústico à edificação. 

Entretanto, por se tratar de uma fixação química dos painéis, sejam de vidro ou de acm, é necessário ter muito mais rigor e cuidado na sua execução do que se fosse uma fixação mecânica tradicional. É importante ressaltar que nem todos os selantes de silicone são adequados a essa aplicação. Por isso, a indústria desenvolveu produtos específicos para atender as necessidades dessa aplicação. 

“A colagem com selante estrutural ou com fita dupla-face estrutural deve atender à ABNT NBR 15737 e à ABNT NBR 15919, respectivamente”, informa a publicação da CBIC. 

COLAGEM COM SELANTE ESTRUTURAL (*) 

Podemos mencionar algumas vantagens do selante estrutural tais como: adesão química sobre ampla gama de substratos; resistência a intempéries e UV; facilidade de aplicação; altas propriedades e resistência mecânica; altas performances em termos de riscos de quebras térmicas dos painéis de vidro e absorção de efeitos em tremores.


Para que a aplicação de selante de silicone estrutural seja perfeita, precisamos que as condições de colagem sejam ideais como: área apropriada para colagem; condições climáticas; espaço físico; acondicionamento.

Vistorias são realizadas antes do início da colagem para comprovar que o produto está perfeitamente em conformidade com as especificações.

Parte de uma colagem estrutural em vidro, onde a integridade do sistema depende da aderência adequada do selante estrutural ao acabamento tanto quanto do acabamento de anodização e/ou pintura, podem ter muitas variações e cada um deve ser avaliado quanto ao efeito da aderência do selante estrutural.

Alguns tipos de acabamento podem exigir o uso de produtos de aderência denominados primers especificados pelo fabricante do selante para promover a aderência adequada do selante estrutural na sua superfície. Espaçadores são aplicados nas superfícies que receberão o selante. Esse espaçador não deve permitir a aderência do selante e deve ser aderente no mínimo em uma das faces de apoio.

Calços devem ser instalados pontualmente à base dos painéis para evitar que o selante trabalhe em cisalhamento permanente. Deve-se evitar o contato metálico do vidro com o calço da base, com uma guarnição de EPDM ou outros produtos equivalentes.

Todos os componentes utilizados em contato com a colagem estrutural devem ser avaliados em relação à compatibilidade entre os materiais.

COLAGEM COM FITA DUPLAS-FACE ESTRUTURAL (*) 

Este tipo de fita tem espuma moldada e adesivo acrílico de 2mm de espessura, é opaca, protegida por um liner, material antiaderente, especificamente formulada, testada e comercializada para colagem estrutural de vidros no sistema structural glazing. A aplicação dessa fita, além de funcionar como barreira contra a passagem de ar e água para o interior do edifício, também propicia primordialmente suporte estrutural e fixação de vidros ou outros componentes a uma janela, fachada-cortina ou outro sistema de esquadria de alumínio ou liga de alumínio.

O tratamento de superfície do perfil de alumínio faz parte do processo da colagem estrutural do vidro, em que a integridade do sistema depende da aderência adequada da fita estrutural ao acabamento, tanto quanto o acabamento de anodização e/ou camada orgânica (pintura) à superfície metálica.

Algumas camadas orgânicas podem exigir o uso de promotores de aderência, primers, especificados pelo fornecedor da fita estrutural para promover a aderência adequada da fita à sua superfície. O uso do promotor de aderência é obrigatório a toda superfície pintada com pintura eletrostática a pó.

O pré-tratamento da superfície do metal e a aplicação da camada orgânica são muito importantes para a performance do sistema de colagem estrutural, visto que a interface entre a camada orgânica e a superfície do metal é uma ligação crítica na cadeia da aderência estrutural.

Também é extremamente importante que a camada orgânica seja estável, durável, que tenha aderência à superfície metálica, de forma tão boa quanto a aderência da fita dupla-face estrutural à camada orgânica. Esta aderência deve ser avaliada em amostras de perfis, componentes e vidro, em laboratório, anteriormente à colagem.

-----
(*) Fonte: “Esquadrias para Edificações – Desempenho e Aplicações”, CBIC/SENAI, 2017 

 

Publicidade:
WhatsApp-Video-2022-02-11-at-17.52.12.gif
Banner - 156x60.jpg
GIF-BANNER (3).gif
 
twitter.png
Leia a matéria na íntegra na Edição nº156 jul/ago 2022 - solicite seu exemplar
 Acesse a edição digital - conteúdo exclusivo para assinante