Edição nº138 jul/ago 2019

CAPA: Esquadrias integradas buscam competitividade com qualidade e conforto 
 
Controle das variações de iluminação e ventilação, maior conforto termoacústico e recursos de automação costumam estar presentes nas esquadrias integradas. Elas podem contar com persianas embutidas que se enrolam e ficam recolhidas dentro de uma caixa acoplada na parte superior. Há, também esquadrias com vidros insulados contendo persianas manipuláveis. 
As janelas e portas integradas podem ser movimentadas manualmente, por controle remoto ou ainda por aplicativo de celular, assim facilitando a vida do consumidor. São muito utilizadas em dormitórios, por conta da sua principal característica, o controle da luz. Quando totalmente abertas permitem a entrada de grande quantidade de iluminação no ambiente e quando são completamente fechadas podem promover o blackout (escurecimento completo) do espaço.

Ao longo dos anos, esse tipo de portas e janelas passou por algumas transformações. De acordo com Antonio Cardoso, consultor da Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio (AFEAL), até o surgimento da “integração”, tínhamos duas tipologias distintas, em geral com batente na predominância de madeira, assim como a esteira pelo lado externo, que se recolhia numa caixa superior, na parte interna da viga, e seu perímetro incluindo a base da caixa.

“A parte da esteira era fornecida por uma empresa especializada neste componente, e a janela de correr propriamente dita, por outra empresa, pois já tínhamos o alumínio marcando presença nas obras verticais”, relembra o consultor, acrescentando que a integrada totalmente em alumínio foi idealizada e lançada no final da década de 1980, e uma das primeiras obras a adotá-las foi a do Hospital Sírio-Libanês em São Paulo (SP). Cardoso observa que o nome da esquadria foi dado em função de seu funcionamento ser em conjunto com a janela de correr pelo lado interno, fazendo um bloco único, integrado.

Com a chegada dos anos 1990, a tipologia integrada ganhou força após a abertura das importações no Brasil. Desde então, foi muito trabalhado o desenvolvimento de detalhes construtivos dos perfis, e de seus componentes, incluindo as esteiras, pelas empresas nacionais. Hoje, podemos dizer que essa tipologia é uma das mais utilizadas no País, no ambiente de dormitórios. A solução tem muita importância e volume consumido, por isso faz parte Programa Setorial da Qualidade (PSQ), comandado pela AFEAL, segundo Cardoso.
 

Publicidade:
banner ok.gif
 
Leia a matéria na íntegra na Edição nº138 jul/ago 2019 - solicite seu exemplar
 Acesse a edição digital - conteúdo exclusivo para assinante   

Tel: +55 (11) 5539-3200