Edição nº135 jan/fev 2019

CAPA: Nova fase marca os itens de segurança e qualidade dos guarda-corpos

A correta construção de imóveis residenciais, comerciais, corporativos ou de grande circulação de pessoas requer planejamento e observação das normas técnicas  vigentes. Um exemplo de itens que devem receber bastante atenção durante a obra são os guarda-corpos — nome que se dá às estruturas de proteção fixadas no entorno de escadas, rampas, terraços, varandas, sacadas, vãos, passarelas, corredores, mezaninos, entre outras partes de uma edificação. Os guarda-corpos são extremamente úteis para assegurar a integridade física de adultos, crianças e animais que circulam nesses locais, evitando quedas acidentais ou mesmo fatais. São proteções geralmente de meia altura, produzidas em forma de gradil, balaustrada (de caráter decorativo e funcional), alvenaria, entre outros.

 

Os guarda-corpos podem ser construídos com diferentes materiais (chapas de vidro ou metálicas, perfis metálicos ou de pvc, madeira, concreto ou outro item resistente), desde que atendam às exigências determinadas pelas normas técnicas em vigor. Devem sempre apresentar um peitoril, cuja superfície superior da seção transversal não seja plana no sentido horizontal, para evitar a colocação de objetos.

Norma 

A regulamentação que rege o projeto de guarda-corpos numa obra (envolvendo materiais, instalação, bem como a qualidade e os critérios relativos à estrutura, design e produção) está presente em diversas normas técnicas, como é o caso da ABNT NBR 14718 (Esquadrias – Guarda-corpos para Edificação – Requisitos, procedimentos e métodos de ensaio), criada em 2001. 

Após dois anos de discussões pela Comissão de Estudo Especial de Esquadrias (ABNT/CEE-191) a norma técnica da ABNT foi revisada. O texto definitivo esteve em consulta pública nacional até novembro de 2018. Em breve, a revisão da norma deverá entrar em vigor. 

O documento que esteve em consulta pública especifica as exigências e métodos de ensaio para guarda-corpos, externos ou internos, de uso privativo ou coletivo, de médio ou alto tráfego, instalados em edificações habitacionais, comerciais, industriais, esportivas, culturais, de saúde e de terminais de passageiros. Além disso, essa diretriz garante ao consumidor o recebimento dos produtos com condições mínimas de desempenho. 
Para especialistas do setor, a revisão da norma ABNT NBR 14718 traz mudanças significativas para a construção civil.

Publicidade:
BANNER FESQUA.gif
Leia a matéria na íntegra na Edição nº135 jan/fev 2019 - solicite seu exemplar
 Acesse a edição digital conteúdo exclusivo para assinante   
CAPA: Nova fase marca os itens de segurança e qualidade dos guarda-corpos

civil.

 

Tel: +55 (11) 5539-3200